Sabe, eu sempre dou uma “diminuida” no nariz quando edito uma imagem, nem por isso acho que o que mostro pra você é uma farsa. Todos queremos sair bem na foto, não é? A gente escolhe o ângulo preferido, encolhe a barriga, ou puxa alguém pra perto e se posiciona bem no meio, “encobrindo” as laterais. Geralmente damos risadas e, cá entre nós, isso existe desde que o mundo é mundo! Ninguém quer parecer feio em uma foto.
A fotografia foi criada pra isso, pra eternizar o belo. Bem antes das câmeras digitais, celulares ou até rolos de filmes, quando revelar dava um trabalhão, toda família colocava sua melhor roupa e ficava horas sentados na mesma posição para ter aquele registro pra sempre.
Quando lí a história da menina que “revelou a farsa por trás das redes sociais”, confesso que ignorei, mas isso deu tanto bafafá que fiquei curiosa. Em uma das imagens que ela publicou, disse algo como “foram centenas, até minha barriga ficar boa na foto”. Ficar horas posando para um fotógrafo, enfrentando frio, calor, chuva, etc, por uma boa foto, é o que muitas modelos e, acima de tudo, fotógrafos fazem. Faz parte dessa arte. Bom… Eu considero assim.
Acho que o ponto principal dessa história é poder falar com pessoas que como ela, buscam se sentir melhor com o número de seguidores que tem no Instagram, ou com os comentários que recebem e tornam isso algo primordial em suas vidas. Esquecem de ser feliz de verdade, do lado de cá também, “fora das telas”. O sucesso nas mídias, pode sim ser um objetivo seu. Trabalhar com sua imagem, seu “life style”, quem sabe compartilhar experiências, coisas boas e informações importantes, como muitas meninas fazem hoje em dia, é algo positivo. Mas a vida virtual não pode ser o que de principal você tem. Já vimos muitos casos assim e achei válido ela expor que nem ter tantos seguidores quanto desejava, a fez feliz.
A vida “virtual” pode ser uma farsa, ou pode ser o que você quiser, assim como a vida real. A lição que podemos tirar de tudo isso, e sempre há uma lição, é que a felicidade não está diretamente ligada a opinião das pessoas sobre você, ou quantos seguidores você tem, mas principalmente, a felicidade é você se conhecer, se amar, se permitir errar e corrigir seus erros, pedir desculpas e sentir orgulho de si mesmo. Acredite, nunca é tarde para isso.
Talvez seja mais fácil para eu dizer essas coisas, já que vim de uma outra geração onde essa tecnologia nem “existia”. A gente vivia uma vida mais real e o máximo de tecnologia era o telefone (e não era celular). Quando a internet chegou ainda levou um tempo pra se popularizar e o resto é história. Mas o mundo parecia menor, de fato. De qualquer modo, já existiam as pressões por imagem, aceitação e também existiam fotos manipuladas, acredite. A diferença é que agora tudo parece muito maior e mais rápido.
Você pode e deve escolher pela realidade, dentro e fora da internet, sabendo apenas que ninguém é perfeito. Vai ver, foi isso que a mocinha que deu origem ao texto quis dizer e muita gente acabou interpretando de outra forma. Não podemos julgar todas as meninas que “bombam” nas mídias sociais de farsa, não podemos julgar belas fotos de farsa, mas podemos olhar pro nosso comportamento “virtual” e quem sabe ser mais feliz de fato. Você só pode ser quem você é, por muito tempo.