Algumas coisas mudaram desde a última vez que eu falei sobre feminismo aqui no blog e peço desculpas se eu soar contraditória
Quando escrevi o post “O que é ser uma mulher hoje em dia”, estava “encucada” com umas fotos sensuais de duas cantoras que eu gosto muito e como era notório que elas conseguiam muito mais atenção da mídia e do público a medida que iam se despindo.
Continuo tendo certeza que há um mercado que lucra muito explorando a imagem da mulher, mas hoje eu afirmo categoricamente o que sempre desconfiei, a mulher, tem o direito de fazer o que quiser com seu corpo, pois ele pertence apenas a ela mesma.
Recentemente, bombou em todos os cantos o embate Pitty x Anitta, e eu não vou me estender sobre a opinião de cada uma delas, mas ao fato de que ainda estamos discutindo quantas pessoas é aceitável uma mulher beijar, dormir, namorar, ficar, seja lá como queiram dizer. Será que não percebem o quão imbecil é essa discussão?
Opiniões a parte, temos assuntos muito mais importantes para colocar em pauta quando tratamos de direitos da mulher, igualdade entre os sexos, machismo e feminismo.
O fato de algo tão medíocre se tornar tão notório, mostra o quanto ainda temos que evoluir.
Meninas/Mulheres, não se deixem enganar.
Não é a quantidade de pessoas que você beijou ou fez sexo que define o quão respeitada você deve ser. Respeito não se impõe, nem se exige, ele é uma troca, deve ser mútuo. E respeitar você mesma é ser consciente de suas atitudes, responsabilidades, desafios, das consequências dos seus atos e acima de tudo, estar com quem lhe tem respeito.

Um beijo enorrrrrme…